Skip to content
22 de julho de 2013 / Espaço do Empreendedor

Reuniões – fazer ou não?

Olá…

Um dos grandes problemas hoje em dia nas empresas, são os excessos de reuniões. Tudo se torna reuniões, apareceu uma situação, lá vamos nós para as reuniões.

Pesquisa feita pela TriadPS (www.triadps.com) uma empresa com 100 funcionários gasta em média R$ 500.000,00 reais com reuniões improdutivas, faça as contas na sua empresa.

 

Muitas dessas reuniões são improdutivas, pelo simples motivo de não se saber exatamente por que foram convocadas, e o pior, que pessoas deveriam ser chamadas, ou seja, não se faz o Planejamento, saem fazendo, levam horas e são fechadoas em nenhum “resultado”, marca-se oytra para resolver o que deveria ser resolvido na primeira.

Veja o vídeo abaixo e depois leia o texto, suas reuniões estão sendo assim?

Gosto muito da definição da TriadPS (www.triadps.com) sobre reunião:

“Reunião é: reunir pessoas para tomada de decisão”

Depois deste conceito, comecei a repensar minhas reuniões, a primeira pergunta que faço pra mim é:

“Qual decisão irei tomar com esta reunião, depois disso, que são as pessoas que estarão envolvidas”

Ficou mais fácil de definir e decidir o que quero em uma reunião. Um outro ponto interessante que li no livro “Estou em Reunião” do autor Christian Barbosa, que melhor que ter uma pauta é ter um objetivo, com ele definido, aí sim faço a pauta da reunião.

Dia desses me vi em uma determinada situação:

“Um determinado empreendedor iria fazer uma reunião de comida de rabo, esse foi o tema que ele me confidenciou, iria chamar a atenção de todos por um erro que havia acontecido na empresa…”

Eu, com todo carinho e respeito ao empreendedor disse:

– Posso lhe fazer três perguntas?

ele – Claro, fique a vontade!

eu – Qual o objetivo dessa reunião

ele – Chamar a atenção de todos!!! (com ênfase na palavra todos)

eu – E qual a decisão que será tomada?

ele – Que não aconteça mais!!!

eu – Última pergunta: Como será feito?

ele – Não sei!!!

Claro que ele não estava focado na solução e sim em chamar a atenção de todos, despejar todo o seu descontentamento com o que havia acontecido, iria gritar, esbravejar, bater a mão na mesa e pior atirando para todo lado…

EU acredito que devemos mostrar nosso descontentamento, pois somos os “donos” da empresa, mas nunca descarregar sentimentos, eles ferem, e são improdutivos.

Pra mim o Empreendedor NUNCA é maior que o EMPREENDIMENTO, devemos sim colocar nossas posições, nossas metas e nossos direcionamentos.

Conversando mais a fundo neste tema, sugeri que mudasse a forma da reunião, seguindo o que li no livro de Christian Barbosa, e refizemos toda a reunião baseada no método do livro “Estou em Reunião”.

Primeiro passo – Seria definir o objetivo, ou seja, a reunião era para sair com um procedimento para que não ocorresse mais aquele problema;

Segundo passo – Definir  as pessoas para a reunião, as que estavam envolvidas no problema e as que poderiam contribuir com a solução;

Terceiro passo – Pauta (coloque tempo para a discussão – assim todos focam):

1. Falar sobre o problema ocorrido e qual seu impacto na empresa (ali passou-se o descontentamento) 20 min.

2. Um momento de brainstorm, levantar todas as situações possíveis para a solução 30 min.

3. Filtrar as possíveis soluções e fechar com o grupo o procedimento (neste momento você começa a compartilhar e o melhor, promove o comprometimento entre as pessoas) 30 min.

4. Fechar o procedimento, validar e padronizar na empresa 20 min.

5. Fazer o encerramento parabenizando o grupo e enviando uma cópia a todos  os participantes 10 min.

Esta reunião leva em torno de 1h e 50 min. e sai com uma solução.

Depois de uma semana encontrei o empreendedor e perguntei sobre a reunião, ele falou feliz e positivamente sobre o resultado, o grupo saiu satisfeito e criaram um padrão para as suas reuniões, hoje ela é mais produtiva, com resultados compartilhados e com os participantes comprometidos.

Fica a dica, pense sempre que a Empresa não pode sofrer pela sua Emoção, lembre-se que os recursos financeiros para os seus desejos saem dela…

Forte abraços e até o próximo post…

Espaço do Empreendedor

Anúncios
2 de abril de 2012 / Espaço do Empreendedor

Funcionário precisa também ser Empreendedor

by Valeria Nakamura

Já fui funcionária de grandes empresas por anos e durante esse tempo tive um grande crescimento profissional e avaliando os motivos pelos quais isso se deu, percebo que pelas características empreendedoras que já possuía na época, mas as utilizava empiricamente, sem saber do que se tratava.

E quais são essas características?

Buscar informações, analisar riscos, aproveitar oportunidades, ter iniciativa, planejar, estabelecer metas, persuadir, trabalhar com qualidade e eficiência, ter persistência, comprometimento e autoconfiança.

Todas essas características são comportamentais (e podem ser desenvolvidas) e aliadas ao conhecimento técnico bem embasado pode ser o diferencial para um funcionário se destacar dentro da empresa onde trabalha.

Não basta ser alguém que apenas vá ao seu local de trabalho, cumpra o solicitado e vá embora, acreditando que sua missão foi cumprida. O funcionário empreendedor deve ter uma visão a longo prazo do que pode oferecer para a empresa, desenvolver produtos e serviços inovadores, vestir verdadeiramente a camisa.

Não quero dizer que funcionário comprometido é aquele que não tem hora para sair da empresa, mas é aquele que proporciona o melhor resultado que pode para a companhia utilizando bem todos os recursos que possui.

O Brasil nunca teve um índice de desemprego tão baixo, em dezembro, a taxa foi de 4,7%, segundo a Revista Exame de 21/03/2012. Nunca houve a oferta de tantos empregos Brasil, porém temos ainda alguns problemas quanto à retenção de profissionais.

Tenho percorrido várias empresas de todos os segmentos pelo Brasil todo e percebo que algumas empresas estão retendo alguns profissionais tecnicamente muito bons, porém com comportamentos inadequados porque não encontram outros para substituí-los nesse mercado aquecido.

Encontro gestores reclamando de funcionários e dizem que gostariam de demiti-los, mas nesse momento é melhor ficar com um “mais ou menos” do que ficar sem ninguém.

Sendo assim, funcionários que hoje acreditam que estão imunes e não precisam ter “algo a mais” para manter seus empregos, cuidem-se porque o futuro será construído por aqueles que sabem exatamente onde querem chegar e como, enfim, os funcionários empreendedores.

5 de março de 2012 / Espaço do Empreendedor

Persistência e Comprometimento

Filme: “O Sabor de uma Paixão”

A princípio parece ser um romance bobinho, mas algumas situações me chamaram atenção.

O filme é sobre Abby, uma americana que vai para o Japão para encontrar seu namorado que a deixa e sozinha, se sente perdida.

Até que ela entra em um restaurante que serve o Lamen e ela percebe como ele proporciona um sentimento mágico em seus consumidores. Decide então que será uma chefe especializada no prato e pede para o dono do restaurante ser seu professor.

Os dois não se entendem, principalmente, por causa do idioma, mas a comida não tem barreiras e permite que haja uma ligação muito forte entre os dois.

Abby passa por um duro treinamento, pois seu professor não é nada fácil. Tem que lavar banheiro, grandes panelas, limpar o restaurante, servir, acordar cedo e dormir tarde, mas nada a faz desistir, pois tem um objetivo muito claro.

Em um momento, ela diz que seu pai sempre disse que ela nunca consegue terminar algo, mas seria diferente dessa vez porque ela queria muito se tornar uma especialista em lamen e faria de tudo para conseguir.

No meio da estória, Abby conhece um executivo japonês (cujo sonho era ser músico) e se apaixona. Quando parece que está indo tudo bem entre eles, ela recebe a notícia de que ele terá que ir para Taiwan, a empresa o transferiu. Ela pede para ele ficar, para largar tudo e ir atrás de seu sonho, mas ele diz que é japonês e o certo é ele seguir às regras. Ele pede que ela vá com ele, mas ela diz que não pode porque está indo atrás de seu sonho.

O dono do restaurante a ensina a preparar o lamen, mas ela faz várias vezes e ele joga tudo fora por achar horrível. Até que ele leva Abby para conhecer sua mãe  para que ela prepare o lamen para ela experimentar. Ele explica que Abby tem a técnica muito apurada, mas o prato não tem gosto.

A mãe do professor diz para Abby que ela tem que por sentimento no que faz, quando fazemos dessa forma, tudo fica saboroso, não é só técnica e aí Abby entende quando várias vezes seu professor falava que ela tinha que fazer com a alma, com amor.

Abby foi preparar o lamen e dessa vez, foi especial, conseguiu atingir o que desejava. As pessoas sentiram a mágica do prato.

Qual a analogia que faço desse filme com o mundo empreendedor?

Muitos empresários desistem de muitas coisas no decorrer do tempo, pois ainda não encontraram um verdadeiro motivo para seguir em frente; algo que realmente desperte algo intenso em si.

Quando realmente encontram um grande desafio, passam por situações duras, nem sempre agradáveis, mas nada disso os abalam, pois sabem porque precisam passar por isso. Continuam a ser persistentes.

Abby mostrou comprometimento com ela mesma, com seu sonho; mesmo sacrificando um grande amor. Se os empreendedores não tiverem primeiro, esse comprometimento consigo mesmo, não conseguirão se comprometer com qualquer outra pessoa.

E por último, mas talvez o mais importante, quando decidimos empreender devemos fazer com amor, com dedicação. Os clientes percebem quando gostamos do que fazemos, nossos parceiros se dedicam mais a nós. Afinal, o amor contagia.

Mas nunca esquecendo que as técnicas de gestão são importantíssimas para mantermos os pés no chão.

24 de fevereiro de 2012 / Espaço do Empreendedor

Inteligente é ser produtivo?

Texto da HSM.com.br

 

Inteligente é ser produtivo

Confira como as inteligências linguística, lógico-matemática, espacial, interpessoal e intrapessoal podem ajudar você e sua empresa a serem mais produtivos

Quem é mais produtivo também é mais inteligente? Talvez um não seja sinônimo do outro, mas fazer as diversas inteligências trabalharem a seu favor para ganhar mais produtividade, é um primeiro sinal de inteligência.

As inteligências linguística, naturalista, lógico-matemática, espacial, corporal sinestésica, musical, interpessoal e intrapessoal, que fazem parte da Teoria das Inteligências Múltiplas (TIM), criada em 1985 pelo psicólogo Howard Gardner, apontam as habilidades que podem ser desenvolvidas ou combinadas de maneira única em cada pessoa.

Gardner, que também é professor de cognição e educação na Harvard Graduate School of Education, defende que todas as pessoas são dotadas destes oito tipos de inteligência, e que as pessoas são consideradas inteligentes pela capacidade que têm de resolver problemas.

Dos oito tipos de inteligência, cinco delas, se bem trabalhadas, podem melhorar a produtividade na carreira e dentro das empresas. Confira:

Inteligência linguística – Diminui os ruídos da comunicação e aumenta a produtividade do grupo.
Identifique: profissionais com essa inteligência possuem habilidades com os sons, ritmos e significados das palavras. Demonstram percepção especial das diferentes funções da linguagem e são capazes de convencer ou transmitir ideias facilmente.
Ganhos: o desenvolvimento dessa capacidade é fundamental para garantir a transmissão precisa e eficiente de mensagens para as demais pessoas.
 

Inteligência lógico-matemática – Organização em primeiro lugar
Identifique: pprofissionais com capacidade de explorar relações, categorias e padrões, pela manipulação de objetos ou símbolos. Conhecidos pela facilidade para contar e fazer cálculos, são pessoas mais organizadas por natureza. Sabem onde guardam tudo-, o que facilita a recuperação das informações.
Ganhos: Altos níveis de produtividade por conta da organização. Os chefes podem usar esse talento para incentivar a disseminação dessas técnicas para toda a equipe.

Inteligência espacial – Estações de trabalho organizadas e limpas
Identifique: profissionais com percepção visual e espacial precisa.
Ganhos: Pessoas com essa inteligência gostam de manter suas estações de trabalho organizadas e limpas, o que contribui para sua própria produtividade e dos demais, não invadindo o espaço alheio.

Inteligência interpessoal – Resultados mais rápidos e maior produtividade
Identifique: são profissionais que entendem e respondem adequadamente a reações, intenções, desejos, temperamentos e motivações.
Ganhos: execução de um trabalho com mais eficiência. Conquista da parceria e confiança de outras pessoas. Resultados mais rápidos e maior produtividade.

Inteligência intrapessoal – Atitude produtiva
Identifique: capacidade para formular uma imagem precisa de si próprio e lançar mão desse conhecimento para resolver problemas.
Ganhos:  reconhecimento das próprias limitações, pensando em formas de superá-las com eficiência. Minimizar fraquezas que possam atrapalhar um projeto ou a equipe.

Como as empresas podem ser produtivas com as diversas inteligências

Nas organizações, a Teorias das Inteligências Múltiplas (TIM) pode ser útil na hora de recrutar e migrar funcionários para outras funções. Em entrevista recente a revista HSM Management, edição 87 de Julho-Agosto de 2011, Gardner falou do uso da teoria para identificar líderes nas organizações e alertou que bons técnicos nem sempre serão grandes gestores – pode lhes faltar a inteligência interpessoal.

A boa notícia é que o aperfeiçoamento da inteligência interpessoal – assim como a intrapessoal -, pode ser feito a qualquer momento, de acordo com a declaração do psicólogo para uma entrevista a revista Veja, em 2007.

Além disso, a teoria valoriza a eficiência com que as pessoas resolvem os problemas, mesmo que de um jeito diferente do tradicional. As organizações que destacam isso em seus profissionais automaticamente ganham na produtividade, afinal um time multitalentoso e multidisciplinar pode chegar a uma solução inovadora mais rápido.
A valorização de cada profissional pelo seu talento único também acarreta no aumento da autoestima do grupo, pois profissionais motivados e seguros de suas capacidades produzem ainda mais e melhor.

O treinamento das inteligências

Um dos maiores desafios é como afiar capacidades que estão adormecidas em um indivíduo. Kátia Stocco Smole, doutora em educação e diretora da instituição de treinamento de professores Mathema, diz que o melhor jeito de ensinar é quando se utiliza habilidades que a pessoa já tem.

“As inteligências não atuam separadas, uma estimula a outra. A teoria das inteligências múltiplas é um dos fundamentos de nosso treinamento, pois são necessários todos os tipos de estímulos para abordar a matemática, pode ser até por meio das artes. Essa teoria abre uma porta muito otimista para os alunos, ao apostar que todo mundo é capaz de aprender”.

Na opinião de Celso Antunes, especialista em cognição, esta teoria pluralizou o uso de formas de expressão e veio dar asas às competências humanas. “O aluno não precisa materializar o que aprendeu apenas por meio de um texto, mas por outras alternativas à inteligência linguística, por exemplo:

• médias e gráficos – inteligência lógico-matemática
• fotos e desenhos – inteligência  espacial
• jograis e trovas – inteligência musical ou sonora, entre outras”.

6 de fevereiro de 2012 / Espaço do Empreendedor

Você gosta da segunda-feira?

by Christian Barbosa

Eu tenho feito muito essa pergunta para as pessoas toda vez que tenho a oportunidade. Uma leitora me enviou um e-mail interessante sobre esse assunto e que pode ser algo que também esteja acontecendo com você:

“…quando eu chego aqui na empresa, começo a planejar as coisas que vou fazer. Crio tarefas no Outlook, deixo tempo vago, mas chega no meio do dia e já me perdi completamente. Chego no fim do dia, não fiz nada do que me planejei, fico com a maior sensação de frustração, cansada, com dor de cabeça e no dia seguinte já fico decepcionada porque tudo vai começar novamente. Fiquei pensando na pergunta que você me fez e acho que o problema não é só com a segunda, é com a terça, a quarta, quinta, etc. “

Eu perguntei para essa leitora se ela gostava da segunda-feira. Eu fiz a mesma pergunta para pessoas que conseguiram entrar no status de “pessoas de alta performance” (baseado em um estudo estatístico de performance). Em todas as gravações que faço da Agenda do CEO para a Você S/A, eu pergunto aos executivos que se tornaram Presidentes, se eles gostam da segunda-feira.

Não fiz nenhum estudo aprofundado sobre o assunto, mas posso dizer que em 85% dos casos, as pessoas que amam a segunda-feira têm resultados superiores, se comparado às pessoas que não gostam da segunda-feira.

A segunda-feira é o símbolo do primeiro dia de trabalho da semana, mas para alguns será o primeiro dia do martírio semanal, já para outras, o primeiro dia da realização de seus sonhos, para alguns o primeiro dia para buscar novas oportunidades ou o primeiro dia de problema da semana.

Claro que tem segundas-feiras que não serão tão boas assim e às vezes até darão uma pontinha de aflição. O problema começa, quando, depois que acaba o Fantástico (ou o BBB), surge um desespero, uma angústia, uma tristeza pelo dia seguinte. Quem não gosta de nenhuma segunda-feira precisa parar um pouco para refletir sobre a sua vida. É de segunda a sexta que você faz seus sonhos saírem do lugar, poucas pessoas fazem isso no final de semana.

Encare que você passa a maior parte da sua vida no papel profissional. Ficar com este estado de tristeza, desespero ou de conformismo na segunda-feira só piora o seu dia-a-dia! Aí não tem motivação, gestão de tempo ou programa de incentivo que dê jeito!

Tem gente que culpa a empresa, o cargo, o cliente, o tempo, o trânsito por esse estado “cadavérico” que vive na segunda-feira, o que é pior ainda. Estas pessoas costumam transferir para terceiros a sua própria incapacidade de mudar, de fazer diferente, de buscar alternativas.

Para este perfil, a gestão do tempo será inútil, porque todo o tempo que ele poderia escolher priorizar o importante, fica abarrotado de urgências e coisas circunstanciais, e neste caso é melhor se conformar ao invés de mudar. O seu poder de escolha, planejamento, pró-atividade fica minimizado.

Talvez você esteja passando por essa crise agora, talvez você esteja sobrevindo ai na empresa enquanto lê este e-mail. Talvez a sua segunda seja tão insuportável que você está a ponto jogar tudo para o alto.

E se você chegou neste ponto porque não ser honesto com você mesmo e tomar uma atitude? A pior coisa que podemos viver é a auto-hipocrisia. O Brasil vive um momento singular na história, uma época de emprego praticamente pleno em diversos setores. Nunca foram criadas tantas vagas e também oportunidades para empreender. Esse é o melhor momento para buscar uma nova alternativa, algo que te faça feliz e que ajude a empresa a ser mais eficiente também!

Se você é líder, pergunte à sua equipe se eles gostam da segunda-feira. Faça algo que permita respostas anônimas, se necessário! Obter 100% de pessoas que amam a segunda-feira vai ser impossível. Seu foco é trabalhar de forma positiva com os que não gostam e são importantes para tornar seu trabalho mais agradável e por conseqüência a sua própria produtividade e auto-motivação.

Eu amo a segunda-feira, é o primeiro dia da semana para realizar minhas metas! Eu fico ansioso pela segunda e também pela sexta, pelo fim de semana com a minha família. Eu amo o que faço, e isso me permite criar resultados de forma equilibrada.
Você não precisa amar a segunda, mas pode gostar do que ela representa. Se não gosta, basta se perguntar: Até quando vou ficar sobrevivendo com algo que não gosto? Até quando vou gastar meu tempo à toa?

Uma feliz semana e uma excelente segunda-feira!


    

 
      


23 de janeiro de 2012 / Espaço do Empreendedor

Fim das Férias

Acabou 2011 e começa 2012, apesar de dizerem que o Brasil começa depois do Carnaval, o Espaço do Empreendedor já começou. Estamos reformulando nossos treinamentos, atualizando nossa equipe, aprimorando conhecimentos e tudo isso para atender com mais qualidade e eficiência.

Em breve nossa grade de cursos estará no blog, mas você pode nos dar sugestões de treinamentos, fazer considerações ou críticas.

Obrigado a todos por 2011, e sejam bem vindos a 2012…

 

Espaço do Empreendedor

 

 

23 de dezembro de 2011 / Espaço do Empreendedor

FELIZ 2012 – Promova as Mudanças

 

“Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento.”

Érico Veríssimo

O Espaço do Empreendedor acredita que para termos um 2012 diferente de 2011, temos que mudar de atitudes, comportamentos e desprendermos de mal hábitos.

Acreditar que podemos fazer diferente, parar de reclamar e atuar com foco e disciplina, é chegar no final de 2012 e perceber que fizemos histórias e que nossas histórias irão inspirar outras pessoas a mudarem.

Um 2012 cheio de realizações, com muita paz, saúde e prosperidade.

Que Papai Noel nos traga muita sabedoria, desprendimento, energia e AMOR, para que tenhamos motivos para MUDAR.

Feliz 2012

Equipe Espaço do Empreendedor

3 de novembro de 2011 / Espaço do Empreendedor

A Vida acontece lá fora!

by Christian Barbosa

     Qual foi a ultima vez que você saiu do trabalho com energia total, disposição e vontade de estudar, fazer um exercício, ler um livro, brincar com seus filhos ou algo diferente para você? Muitas pessoas não lembram da última vez que conseguiram sair do trabalho com disposição para literalmente fazerem algo por suas vidas.

As empresas viciadas nas urgências, a má gestão do seu tempo e da equipe, a falta de prioridades claras, o excesso de reuniões e o volume desnecessário de e-mails criaram uma “matrix corporativa”, exatamente como no filme “Matrix”.

Vivemos dentro desse mundo viciante, que nos envolve por completo, suga nossa energia, nos dá a impressão de que o tempo está correndo mais rápido, e no final, fica aquela sensação de que algo não foi feito. Já se sentiu assim alguma vez?

Esse “algo que não foi feito”, é literalmente você! Que está sempre sobrevivendo nesse ambiente, mas nunca sai da “matrix” para viver de verdade. É para isso que serve a administração de tempo, a produtividade e tudo isso sobre o que vivo falando. Para tirar você da Matrix!

Nosso trabalho é ilimitado, vamos sempre achar coisas para fazer, nunca acaba. Agora, o seu tempo, é limitado. Isso significa que se você não colocar um limite para sua vida profissional, a vida pessoal não vai existir. Tudo pode ser negociado ou priorizado para outro momento e quando não tiver jeito, deve ser a exceção e nunca a regra.

A chave para tornar isso uma realidade é trabalhar melhor, de forma mais inteligente, utilizando melhor seu tempo no dia-a-dia. Você deve descobrir aquilo que mais consome seu tempo e trabalhar na redução desse item, aprender a priorizar com base em critérios de resultado para conseguir planejar e ter maior flexibilidade.

Existem várias formas de fazer isso. Uma delas é criar uma meta pessoal de redução do seu horário de trabalho. Por exemplo, vamos supor que você trabalhe 12h/dia, você poderia colocar uma meta de reduzir para 11h/dia nos primeiros 60 dias. Isso é realista, vá aos poucos.

 Crie um compromisso repetido na sua agenda que tenha horário de início para a hora que deseja sair, com o seguinte título: “A vida acontece lá fora”. Ache algo de que você goste muito para fazer e coloque para depois do seu expediente, e sempre que possível, varie essas atividades.  
 Quem tem um motivo forte, uma boa razão para “viver fora da matrix”, vai conseguir. Isso é limitar seu tempo, aprender a usar bem as horas dentro do expediente e evitar uma sobrecarga de horas extras.

Eu já fiz isso diversas vezes com executivos que querem viver seu tempo com mais sabedoria, dá resultado, claro que não da noite para o dia, demora, mas acontece. Se achar que não vai dar certo, faça uma experiência: Imagine-se no futuro, com uns 90 anos de idade, e conversando com seu EU de 90 anos, perguntando o que ele faria hoje! Pergunte se ele gostaria de ter passado mais tempo no escritório ou vivendo fora da Matrix! Faça o seu EU 90 ter orgulho do seu EU NOW, ele com certeza será seu melhor conselheiro.

Quem quer faz, quem não quer sempre vai encontrar uma desculpa.

A vida acontece lá fora!

                               Christian Barbosa


19 de outubro de 2011 / Espaço do Empreendedor

Como escrever um Plano de Negócios (Parte 9)

by Valeria Nakamura

Como estão os seus processos de trabalho? Quanto tempo você demora para atender seu cliente?  Quais equipamentos não podem faltar em sua empresa? O layout está adequado?

Cada vez mais, verifico que um dos grandes problemas nas empresas está em seus processos que são falhos, o que causa uma grande ineficiência e perda de lucratividade.

Em seu plano de negócios você deve descrever os principais processos de sua empresa, por exemplo, a fabricação (não quer dizer contar seu segredo industrial) como é realizada, a comercialização (os meios utilizados) e/ ou a prestação de serviço.

Além disso, deve constar os equipamentos que você utiliza e como é o layout para que possa ser analisada a produtividade e eficiência do processo.

Em qualquer tipo de negócio, você conseguirá fazer toda essa descrição e provavelmente você se deparará com alguns gargalhos que ameaçam sua empresa.

 

 

13 de outubro de 2011 / Espaço do Empreendedor

Como escrever um Plano de Negócios Parte 08

by Valeria Nakamura

Hoje, abordaremos pessoas muito especiais a quem chamamos de Fornecedores.

E muito cuidado com esse aspecto do Plano de Negócios, pois você precisa deles, mas deve analisar qual seu grau de dependência, pois isto interfere em todo o seu modelo de negócios, custos, entrega e até a continuidade de sua empresa a longo prazo.

A primeira etapa a fazer é relacionar todos os produtos e/ ou serviços que a sua empresa precisa. Após isto, fazer uma lista de fornecedores para estes produtos e/ ou serviços e qualificá-los em termos de preço, prazo de entrega, condições especiais, localização, capacidade de entrega.

Evite ter apenas um fornecedor, pois muitas vezes, quem tem um, não tem nenhum e poderá acarretar problemas de abastecimento, principalmente, em alguns períodos de sazonalidade. Por isso, estrategicamente, mantenha uma lista de fornecedores ativos nos produtos que são essenciais para o funcionamento de sua empresa.

Conheci vários empresários que compram de fornecedores de lugares distantes, pois dizem que é muito mais barato, porém alguns esquecem de computar o custo do transporte e o tempo de entrega, o que muitas vezes acaba encarecendo o produto. Por isso, se preocupe com isso.

Ter fornecedores é fácil, mas ter “bons” fornecedores não é tão simples assim, por isso se lembre de cultivar os relacionamentos, pois pode ter certeza, isso pode salvá-lo de alguns problemas.

 

 

%d blogueiros gostam disto: